· · ·

Jornalismo Comunitário

Projeto social recupera vidas

leao judahTenda da Fé, na Vila Fortuna, em Sapucaia do Sul. Foto de Ana Paula Maciel

O trabalho começa na sexta-feira à noite. Os pastores instalam o som e chamam os moradores do local para participarem da confraternização. Assim iniciou o projeto Resgatando Vidas, da Equipe de Missão Leão de Judá. Com essa iniciativa, os pastores tentam inserir jovens e adultos, ex-usuários de drogas, alcoólatras e envolvidos no tráfico, à vida novamente.

Com intervalo para lanches e trocas de experiências, o trabalho não tem hora para terminar, e na Tenda da Fé, assim apelidada pelos frequentadores do projeto, a palavra de Deus é repassada por três pastores fundadores do programa, Samuel Goulart Pereira, Jonatas Vieira dos Santos e Abner Muniz. "O lanche oferecido sai do nosso bolso, e como o projeto ocorre todas as sextas-feiras fica pesado para o orçamento do grupo", afirma dos Santos. O pastor ainda fala sobre a necessidade de melhorar os equipamentos de som e também uma tenda ou barraca maior para receber mais pessoas.

Apesar das redes sociais estarem aí para ajudar na divulgação, ainda falta experiência nesse campo desconhecido para os fundadores do projeto Resgatando Vidas. Abner Muniz, ex-drogado e atual pastor, afirma que faltam voluntários e apoiadores para ampliar o trabalho. "Gostaria de mais voluntários, pessoas que ajudem a gente a divulgar nosso trabalho. Tenho Facebook, mas mal sei mexer. Não conheço o Twitter e muito menos sei criar um blog ou uma rádio poste". O pastor Pereira ainda fala da necessidade da comunicação entre os frequentadores. "Para o nosso trabalho melhorar queremos criar um blog sobre tudo o que já foi conquistado, e quem sabe, futuramente uma rádio comunitária voltada ao público do projeto, pois a nossa comunicação fica limitada e isso acaba não tendo visibilidade do nosso trabalho perante futuros apoiadores".

"Se tivéssemos uma rádio comunitária ou mesmo
uma rádio poste essa comunicação com a
comunidade local seria muito melhor"

Mesmo os fundadores do projeto não tendo experiência alguma na área da comunicação, é visível a necessidade de melhorar a divulgação usando um blog ou site. O problema justamente recai em como operacionalizar isso sem conhecimento. "A gente chega nas vilas e favelas com nossos equipamentos, a maioria delas é doação, como a lona que um circo deixou pra gente fazer nossos encontros. Às vezes, chegamos lá e começa a chover e temos que cancelar", diz o pastor Pereira, ao reafirmar a dificuldade em desenvolver o projeto Resgatando Vidas. "Se tivéssemos uma rádio comunitária ou mesmo uma rádio poste essa comunicação com a comunidade local seria muito melhor", finaliza o pastor.

Por isso, o apelo do grupo Equipe de Missão é que voluntários com esse tipo de conhecimento possam nos ajudar a criar e manter uma rádio comunitária. "Quem sabe com essa reportagem mais pessoas se sensibilizem com o nosso projeto", acredita o pastor Muniz.

Matéria produzida na disciplina de Jornalismo Comunitário. Professora responsável: Lisete Ghiggi

· · ·