· · ·

Jornalismo Ambiental

Ano Internacional da Cooperação pela água

FOZ 2A cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, foi sede, em 21 de junho, do Fórum Mundial de Meio Ambiente. Foto: divulgaçãoA cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, foi sede, em 21 de junho, do Fórum Mundial de Meio Ambiente, um evento de grande valor para a comunidade sócio-ambiental. Entre os participantes que debateram sobre “O Ano Internacional da Cooperação pela Água”, lá estavam pesquisadores, empresários e líderes políticos.

O tema trouxe à discussão a importância da água para o nosso planeta, seja como fonte de consumo ou de energia, além de um componente de preservação da biodiversidade, capaz de fomentar parcerias. O local para o fórum foi estrategicamente escolhido, Foz do Iguaçu, berço das belíssimas Cataratas do Iguaçu, Patrimônio Natural da Humanidade. O grande objetivo é aproveitar o ensejo dos últimos anos, em que o meio ambiente teve um crescimento considerável em pautas de reuniões para a manutenção da natureza e o uso dela em benefício sem o agredi-lo.

É importante que finalmente ocorram eventos com apoio maciço do Estado para o assunto. O governo do Paraná, patrocinador do Fórum, mostra que a busca de alternativas para evitar maiores impactos ambientais está, sim, preocupando as grandes empresas. Logicamente isso está aliado ao controle fiscal das questões voltadas ao meio ambiente e ao empresário, que não quer diminuir sua margem de lucro, e muito menos ver seus investimentos não darem certo por falhas que possam ocorrer nesse processo. Felizmente após anos de atrocidades ao sistema ambiental no Brasil, o Governo Federal assumiu uma condição de fiscalizar intensivamente os casos das empresas que desmatam e extrapolam os limites.

A água, uma das fontes de maior preocupação no mundo pela sua possível escassez nas próximas décadas, também não pode fugir dessa regra. Na Europa, já existe uma série de controles sobre a racionalização da água, pois lá não há essa “abundância” que temos aqui. Acontece que essa “abundância” é apenas fictícia, levando em conta o desrespeito e a poluição dos grandes centros de água doce no país, que diminuem de forma considerável o aproveitamento dela. O espaço de tempo para sua administração correta está atrasado, muito atrasado. Já deveriam ter criado planos de recuperação em gestões passadas, mas só agora, nos anos 2000, é que retornaram com força todos esses cuidados, tendo em vista os resultados de estudos que apontam para um caos no meio ambiente, em nível global, caso não forem tomadas providências.

Esta edição do Fórum Mundial de Meio Ambiente é mais um passo para ressaltar importância da água no mundo globalizado. Não existe futuro sem a natureza preservada, e essa noção já está plantada, mas precisa agora germinar para surtir efeitos. Cabe a nós uma ação efetiva e duradoura para que seja viável chegarmos a esse futuro.

Matéria produzida na disciplina de Jornalismo Especializado I, com ênfase em Jornalismo Ambiental, Rural e Científico.
Professora responsável: Lisete Ghiggi

· · ·