· · ·

Jornalismo Ambiental

Símbolo do vanguardismo gaúcho

edgar vasquesCrédito da imagem: Edgar Vasques. Ilustração do Guia de Boas Práticas Ambientais, editado pelo Governo do RS e pela Fundação Gaia.

Referência nacional no que diz respeito à defesa ambiental, a lei 7.747, de 22 de dezembro de 1982, é um importante instrumento em defesa da vida. Proposta pelo ex-deputado Antenor Ferrari, a lei, que entrou em sua quarta década de vigência neste ano, representa o pioneirismo gaúcho na temática da sustentabilidade. Ao ser sancionada e promulgada pelo governador do Rio Grande do Sul, expôs para o resto do Brasil a visão de desenvolvimento sustentável defendida aqui em nosso estado numa época em que poucos se importavam com a natureza e as gerações futuras.

A Lei de Defesa Ambiental regula a utilização de agrotóxicos e outros biocidas em solo gaúcho, vedando a utilização dos químicos proibidos em seu país de origem. Criticada pelos comensais do retrocesso, ela é produto de uma construção coletiva de ambientalistas e ativistas sociais que até hoje referenciam sua importância histórica. As recentes tentativas de flexibilização da lei e as diversas manifestações populares em resposta a elas, são provas de que o RS ainda se orgulha do seu vanguardismo ambiental e preza pela saúde da população.

O próprio Parlamento gaúcho serviu de palco para debater as investidas dos grandes empresários do agronegócio, que clamavam pela mudança da lei, visando somente o lucro pessoal. O embate travado entre as entidades ligadas ao agronegócio e os agroecologistas, ocorrido no dia 3 de dezembro de 2012, durante audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa, revelou, no entanto, que os ecologistas de nosso estado permanecem unidos e continuam defendendo o consumo de alimentos saudáveis e livres de agrotóxicos. As manifestações contrárias à flexibilização da lei 7.747 também são reflexos da luta travada há 30 anos por uma geração de rebeldes que batalhava contra a ditadura do uso de agrotóxicos e que conseguiu espalhar sementes de uma visão de desenvolvimento sustentável que se perpetuaram ao longo dos anos.

A trajetória desta nossa importante legislação também foi reconhecida e celebrada através de Grande Expediente Especial promovido pelo deputado Adão Villaverde no dia 3 de abril. A solenidade reuniu ambientalistas, ativistas sociais e defensores de uma visão sustentável nas galerias do Plenário 20 de Setembro. Entre as ilustres presenças, o presidente da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), Francisco Milanez, e o autor da lei homenageada, Antenor Ferrari.

Tantas iniciativas em prol do meio ambiente reconhecem o legado deixado pelos pioneiros e pioneiras da ecologia, que tiveram imprescindível atuação no avanço das leis que defendem o modelo de desenvolvimento sustentável. Assim como estas ações realizadas pela sociedade e pelo Poder Legislativo, este artigo é uma singela homenagem a José Lutzenberger, Augusto Carneiro, Henrique Roesler, Giselda Castro, Magda Renner e Hilda Zimmermann.

Matéria produzida na disciplina de Jornalismo Especializado I, com ênfase em Jornalismo Ambiental, Rural e Científico.

· · ·