· · ·

Jornalismo Ambiental

Menegat e a invisibilidade da natureza

nej 01Curso de Jornalismo Ambiental organizado pelo NEJ. Foto: Rafaela Haygertt

Nos últimos dias 20 e 21 de agosto, o Núcleo de Rcojornalistas do Rio Grande do Sul (Nej) promoveu um curso de jornalismo ambiental para discutir os principais desafios do meio ambiente. O evento, que aconteceu no auditório da Faculdade de Biblioteconomia da UFRGS, fez parte da comemoração dos 20 anos do NEJ. A atividade reuniu cerca de 37 pessoas, entre estudantes e profissionais interessados pelo tema.

A palestra de abertura foi ministrada pelo professor da UFRGS Rualdo Menegat. O professor participou do encontro na noite de sexta-feira e falou e falou sobre a cegueira do ser humano em relação à natureza.

O geólogo afirmou que a natureza aparece para os cidadãos urbanos como um problema. "A sustentabilidade não é um problema da natureza, é um problema do ser humano", categorizou. Para Menegat, o hemisfério sul teve uma década muito atribuldada, com diversos fenômenos naturais novos, como o ciclone extratropical em Santa Catarina, em 2004.

O pesquisador disse ainda, que devemos aprender com nossos erros, já que, segundo ele, não houve nenhuma cidade que não tenha sofrido inundações estes últimos anos. No entanto, o mais problemático, segundo Rualdo Menegat, é que o aquecimento global se coloca como um grande espetáculo para nós, principalmente pela imprensa. "Isso mostra como estamos cegos para a natureza", lamenta. "O mundo urbano que construímos, está além da escala humana", acredita o intelectual;

Um conceito atribuído por Menegat para explicar o consumismo e a velocidade alucinada em que se encontra em nosso mundo hoje, é o do 'Voracino e Velocino'. "Esses dois monstros tudo querem e numa velocidade excessiva", brincou o palestrante.

Segundo o Menegat, existe hoje um problema muito grande que é a transferência do custo ambiental, onde os municípios transferem para outros seu lixo e sua responsabilidade com o meio ambiente. "Domesticar a urbesfera (a cultura do hábito urbano) é a grande questão para o futuro humano, um futuro humanista", defende o professor.

O palestrante também falou sobre o recente desastre ambiental causado pelo petróleo no Golfo do México. "O evento do golfo o México é o maior desastre natural dessa década, e ninguém fala sobre isso", critica. De acordo com ele, nunca houve uma censura tão ferrenha. "Só é comparada a censura dos experimentos nucleares durante a guerra fria", lembra Menegat.

Após a palestra, o docente da UFRGS respondeu algumas perguntas dos participantes, que foram desde a questão da desapropriação da vila do Chocolatão até a melhor forma de lidarmos com aqueles que não acreditam que o aquecimento global é uma realidade.

No final, Menegat deixou claro aos participantes: cuidar do meio ambiente é cuidar das pessoas.

· · ·