· · ·

Jornalismo Ambiental

Alternativa verde na produção de sacolas

mandiocaMandioca é usada para produzir embalagens plásticas biodegradáveis. Foto: DivulgaçãoNo Brasil, consomem-se aproximadamente quatro milhões de toneladas de plástico por ano, segundo dados da Associação Brasileira de Embalagens, e menos de 20% é reciclado. Por isso, há muitos anos, a utilização deste material no cotidiano é pauta para discussões, principalmente quando o tema é a poluição ambiental.

Muitos supermercados, maiores disseminadores do plástico, começaram a oferecer aos clientes sacolas de pano para levarem as compras para casa. Porém, iniciativas como esta, estão bem longe de se tornarem um hábito. A maioria dos brasileiros nem sabe que o plástico demora cerca de 100 anos para se decompor.

A maior reclamação das donas de casa é com relação ao descarte de lixo doméstico. Elas alegam que se não aceitarem as sacolas plásticas fornecidas gratuitamente pelos mercados, terão que comprar sacolas plásticas para este fim. Porém, se depender do Instituto de Química de São Carlos, da USP, as velhas 'sacolinhas' estão com os dias contados, pois poderão ser substituídas por um material tão prático e barato quanto elas.

A pesquisa do Instituto de Química de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP) está pronta para causar uma verdadeira revolução no setor de embalagens. Pesquisadores descobriram uma maneira de produzir embalagens plásticas biodegradáveis, através de uma matéria-prima bem conhecida dos brasileiros: a mandioca. O estudo, que é conduzido pela química Eliangela Teixeira, descobriu que a partir da raiz de mandioca bruta e de seus derivados pode-se obter o amido termoplástico (TPS). A pesquisa incluiu também uma investigação para deixar o plástico biodegradável o mais parecido possível com o plástico comum, com flexibilidade e resistência.

Enquanto as sacolas biodegradáveis não chegam ao comércio, existem algumas alternativas para poluir menos: o ideal ainda é investir em sacolas de plástico preto, comercializadas no comercio, pois são mais resistentes e acondicionam maior quantidade de lixo. Portanto, ao invés de descartar várias sacolas, descarta-se uma só; carregue sempre uma sacola de pano, assim quando fizer uma compra não precisará da sacola plástica. Para fazer compras grandes carregue mochilas ou opte por caixas de papelão.

Outros países já estão bem mais adiantados, quando o assunto são as 'sacolinhas'. Na Dinamarca e na Irlanda os governos cobram taxas sobre as embalagens plásticas, o que fez o consumo despencar. Já, em Taiwan os consumidores finais pagam por elas, e em Bangladesh elas foram drasticamente banidas. Em muitos outros países buscam-se alternativas para diminuir o impacto das embalagens no meio ambiente. O Brasil tem em mãos uma ótima opção, resta saber se o governo brasileiro vai se interessar em também contribuir com o planeta.

Matéria produzida na disciplina de Jornalismo Ambiental. Profa. responsável: Lisete Ghiggi

· · ·