· · ·

Jornalismo Investigativo

Giovani Grizotti defende o uso de câmera escondida

giovani grizzotiO jornalista investigativo Giovani Grizotti concedeu palestra nessa quarta-feira (01/09) à noite para cerca de oitenta pessoas entre elas professores e alunos de diversos semestres do curso de Jornalismo do IPA. A palestra integra o programa de Jornalismo Investigativo ministrado pela professora Luciana Kraemer.

Há quinze anos Grizotti atua no grupo RBS e faz matérias para a Rede Globo. Apesar das críticas que diz ter sofrido –especialmente nas universidades – por usar câmera escondida, o repórter defende a ideia de que o equipamento é a principal ferramenta para flagrar crimes e escândalos políticos. Grizotti aposta na infiltração e no uso de equipamentos camuflados para fazer suas reportagens. Para ele, sempre que a sociedade for ameaçada, é válido o uso destas técnicas de investigação. Os métodos de Grizotti oportunizaram inúmeras reportagens importantes para o currículo do repórter, entre elas: o tráfico de drogas no centro de Porto Alegre e a venda de diplomas falsos no Rio de Janeiro.

O jornalista acredita que a principal função do repórter é instigar o senso crítico da população. "O jornalista não é responsável por resolver o caso, mas mostrar a verdade para a sociedade". Ele acrescentou ainda que o resultado da reportagem é mais importante que a própria matéria. "De nada adianta uma reportagem que não fermentar em nada". Exemplo disso foi a repercussão da reportagem sobre o esquema de vistoria dos transportes escolares. Após a denuncia de Grizotti 20 oficinas irregulares foram fechadas pelo Departamento Autônomo de Estradas e Rodagens (DAER).

O comportamento polêmico de Grizotti foi acentuado após um caloroso debate com o integrante ativo do Sindicato dos Jornalistas e professor Léo Nuñez. O debate ocorreu em função de uma reportagem feita por Grizotti em março deste ano na Assembleia Legislativa. O jornalista não concordou com o sindicato que usou a sua reportagem como exemplo contra a câmera escondida, pois Grizotti afirmou não ter usado o equipamento em tal ocasião. Após uma discussão entre as partes, os ânimos se acalmaram e ambos concordaram que o confronto de ideias é positivo e uma situação típica da profissão.

A palestra seguiu com perguntas de estudantes a respeito da carreira, vida e desejos de Giovani Grizotti. O jornalista explicou que seu sonho sempre foi trabalhar em rádio, foi nesse veículo que Grizotti deu início aos trabalhos investigativos, atuando na rádio Horizonte e rádio Gaúcha. Apaixonado por imagens, na televisão Grizotti encontrou a maior repercussão na sua carreira. Segundo o jornalista, apesar de amar desafios ele encontra-se satisfeito com a sua vida profissional. Não almeja ocupar outro cargo, apenas deseja crescer cada vez mais como repórter.

 

Giovani Grizotti, 37 anos. Jornalista investigativo há 15

Universo IPA - Quantas denúncias você recebe por dia?
Grizotti - Recebo em média 15 denúncias por dia. Quando temos matéria veiculada em grandes mídias a repercussão rende até 80 denúncias em apenas dois dias.

Universo IPA – Existem restrições na sua vida pessoal em virtude de sua escolha profissional?
Grizotti – Na verdade não muito. Vivo normalmente, vou ao cinema, bares. Apenas no momento da entrega de um prêmio não posso recebê-lo no palco. Mando alguém em meu lugar, mas vou à cerimônia e observo de longe. Reconhecimento é sempre bom.

Universo IPA - Quantas horas por dia você trabalha?
Grizotti - Chego a trabalhar 15 horas por dia, mas a média é de oito a dez.

Universo IPA – Você é "viciado" no que faz?
Grizotti – Já fui mais. Já passei por cima de questões pessoais em virtude do trabalho. Hoje em dia cuido mais de mim, mesmo ainda sendo apaixonado pelo que faço.

 

Rapidinha

Livro: "Chatô: o Rei do Brasil"

Filme: "A órfã", adora suspense

Ídolo: Gildinho, do grupo Os Monarcas – confessa ser tradicionalista

Arrependimento: Não ter ido a Nova York às vésperas do atentado de 11 de setembro. Tinhas as passagens, mas estava na RBS TV há apenas uma semana e ficou dividido entre faltar ao mais novo trabalho e viajar, perdendo o prazo para encaminhar o visto. " Alguns colegas fizeram a cobertura de suas vidas".

Conselho: "Seja sincero"

· · ·