· · ·

Jornalismo Comunitário

Insegurança preocupa moradores do bairro Santo Antônio

seguranca anielleCaminhada pela Paz, no bairro Santo Antônio, em dezembro de 2013. Foto de Anielle Pereira

Na opinião dos moradores, transitar pelas ruas do bairro Santo Antônio, zona leste de Porto Alegre, nas imediações da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), é uma tarefa difícil. As tentativas de assaltos, intimidações, furtos e roubos são frequentes, pois não há policiamento e falta iluminação pública nas ruas e praças da região.

Jornalismo Comunitário

Arte nos muros da Fundação Pão dos Pobres

arte urbana joaoFoto de João Batista de Souza Rodrigues Filho

Quem passou próximo aos muros da Fundação Pão dos Pobres, na manhã de segunda-feira, 3 de maio, foi presenteado com os traços de diversos grafiteiros. Um verdadeiro mutirão reuniu mais de 180 artistas do grafite brasileiro, que coloriu diversos espaços do bairro Cidade Baixa. A iniciativa fez parte das atividades do 1º Festival de Arte Urbana, promovido pela Prefeitura de Porto Alegre, por meio da Secretaria Municipal da Juventude (SMJ).

Jornalismo Científico

Reprodução assistida, técnicas auxiliam na concepção de um bebê saudável

reproducaoA embriologista Ana Paula Kussler explica o processo de reprodução assistidaSão diversos os motivos que levam uma pessoa a procurar um especialista em reprodução. Pacientes oncológicos, produção independente, casais homoafetivos e até mesmo sorodiscordantes (quando um dos parceiros é portador de uma doença viral crônica) querem ter o direito de ter um bebê. E as técnicas de reprodução estão aí para ajudar na realização deste sonho. Nem todos que desejam um filho, conseguem de forma natural. Muitas vezes essas dificuldades geram grande angústia, ansiedade e frustração ao casal. Entretanto não são apenas casais que pretendem uma concepção imediata que podem ser beneficiados pelas técnicas. É possível fazer congelamento de material biológico para uso futuro.

Jornalismo Ambiental

Álcool: a droga lícita

"Não existe evidência científica que comprove que a maconha seja a porta de entrada para o mundo das drogas. Quando se foi investigar mais a fundo, o que se descobriu é que, a única das drogas que poderia levar a esta porta de entrada seria o álcool. Porque todo mundo antes de progredir para drogas mais pesadas começa pelo álcool. Não é o caso da maconha. A grande maioria das pessoas que usa maconha não progride para drogas mais pesadas".

Jornalismo Ambiental

Apesar DE TER satélites que vigiam suas árvores, a Amazônia sofre!

Logo DeterO DETER foi desenvolvido como um sistema de alerta para suporte à fiscalização e controle de desmatamento. Foto: divulgação Ministério da Ciência e TecnologiaNo ano de 2004, quando o governo federal, em conjunto com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), anunciou o lançamento do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (DETER), o feito foi comemorado pelos ambientalistas. Tratava-se de uma revolução no combate ao desmatamento ilegal na Amazônia que entraria em uma nova era, com o auxílio de satélites exclusivos para esta função. Tanta tecnologia sendo empregada a favor da natureza no Brasil merecia comemoração.Mas algumas falhas acabaram diminuindo a eficácia do novo programa de controle do desmatamento.

Jornalismo Ambiental

A energia solar em terras brasileiras

solvoltA energia solar aos poucos vai conquistando lugar no Brasil. Foto: divulgaçãoConsiderada uma energia alternativa renovável e de menor impacto ambiental, a energia solar aos poucos vai conquistando lugar no Brasil. Segundo informações distribuídas no site do Ministério do Meio Ambiente, dados do relatório “Um banho de sol para o Brasil”, do Instituto Vitae revelam que o Brasil recebe anualmente por volta de 1013 MW por hora de energia solar, o equivalente a 50 mil vezes do consumo anual de eletricidade.  E isto ocorre graças à localização e extensão territorial do Brasil. Ainda conforme dados concedidos pelo trabalho, a radiação solar no Brasil é de 8 a 22 MJ/m² durante o dia, sendo que esses valores variam entre os meses de maio e junho, que é de 8 a 18 MJ/m².

· · ·