· · ·

Publistorming

Ex-alunos mudam regras na Publicidade

IMG 0443Empresa criada por publicitários muda a relação entre cliente e agência. Foto de Fabricio Braga

Atender pequenos clientes e oferecer produtos a baixo preço, garantindo acessibilidade e transparência ao mundo da publicidade e do marketing. Esta é a proposta da Publicidade Popular, agência criada por Jonathan Souza e David Nudelman, ex-alunos do IPA que apresentaram sua empresa e muitas ideias no Publistorming. O evento, realizado na quinta-feira (12), no auditório Oscar Machado, reuniu estudantes do curso de Publicidade e Propaganda da instituição para ouvir experiências sobre empreendedorismo, inovação e gestão de negócio.

A agência existe há três anos e alcança, ao final de 2015, a marca de 1000 clientes atendidos. O modelo de negócio envolve produtos de publicidade – logomarca, sites, anúncios, manutenção de redes sociais – a preços bem mais baixos que a média do mercado e que podem ser parcelados, atendimento online e foco em pequenos clientes, que não entendem o universo da Comunicação, mas sabem que precisam participar dele. “Ninguém sabe quem são as agências, exceto o próprio mercado. Era neste público que queríamos chegar”, contou David. A empresa começou com os dois sócios divulgando seus serviços e preços via internet – a web é sua praça, as ferramentas virtuais fazem sua promoção. Um cliente, satisfeito com o atendimento da Publicidade Popular, procurou a Band News falando bem da empresa. A rádio contatou os publicitários e fez uma matéria com eles, veiculada em outras emissoras do grupo – e os publicitários ganharam mais destaque e novos clientes. “Saímos em sites, revistas e programas interessantes, como o Pequenas Empresas Grandes Negócios, e isso deu relevância para o negócio e captou clientes”, explicou Jonas.

A partir daí, a empresa começou a veicular anúncios em rádios, para se tornar conhecida mesmo de quem não busca serviços na internet, e cresceu. Este modelo de negócio acessível e transparente chocou as grandes agências do setor e gerou reações. O anúncio, que mencionava o quanto as agências cobravam caro, teve que ser alterado para se manter no ar. “O sindicato também nos chamou, pedindo para mudarmos o posicionamento da empresa, porque isso não ia dar certo, ia quebrar o mercado”, contou David. A reação foi tão forte que o Sindicato das Agências de Propaganda lançou uma campanha para que as empresas apostassem em agências fortes, consolidadas.

Nada disso intimidou os publicitários. “Para empreender, não precisa ter dinheiro, precisa ter força de vontade. Tenho 25 anos e nem sei o que é férias, reinvestimos todo o dinheiro na empresa. E isso ajuda a economia do País. Pode soar utópico, mas é nisso que a gente acredita”, explicou Jonas.

A fórmula de sucesso da empresa inclui uma equipe pequena, mas eficiente, atendimentos por e-mail e não instantâneo, combinados de produtos prontos e qualidade no que é entregue. Tudo isso contribui para baixar o custo e garantir a satisfação dos clientes. Outro ingrediente importante é amar o que se faz. Os sócios acreditam no seu trabalho e buscam oferecer um ambiente confortável para a equipe, que é toda vinculada à agência, sem free lancers. A sede da empresa tem mesa de sinuca, pufes, e os profissionais trabalham até de pantufa, sendo responsáveis por gerir seu próprio tempo. “A equipe tem um apego pela empresa. E nós incentivamos que eles tomem decisões, que errem. Incentivar o erro para ter o aprendizado e o acerto ali na frente”, filosofa Jonas.

A empresa projeta expansão através de franquias, voltada para a comercialização dos produtos – que continuarão sendo produzidos pela equipe de sete pessoas no escritório em Porto Alegre.

 

Outros projetos

O empreendedorismo da dupla de sócios não para na Publicidade Popular. Um dos projetos deles é a Compre mídia (www.compremidia.com.br). Segundo David, é uma espécie de Decolar.com do mercado de mídia. “Hoje, quando uma empresa quer anunciar em um veículo de comunicação ela não conhece o processo, a negociação de preço. Se é uma empresa pequena, muitas vezes não é nem atendida. Aí que a Compre mídia entra”, esclareceu. No site, estão disponíveis os valores de diversos tipos de mídia, em vários veículos – cota de patrocínio, busdoor, outdoor, rádios, jornais, etc do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, tudo parcelado em até 12x. A proposta é que o cliente acesse, escolha a mídia onde quer anunciar e compre – a agência produz até a arte do anúncio, se necessário, sem custo adicional. A Compre Mídia já teve até cliente do interior de São Paulo interessado em comprar espaço em um outdoor para se declarar para uma moça gaúcha.

A empresa tem investidores, o que exige uma nova postura dos sócios e um maior cuidado no uso dos recursos financeiros. “É um momento novo para nós ter que prestar contas para um investidor, mas temos que fazer isso, é o dinheiro dele que está investido ali”, contou Jonas. Eles venderam 12,5% da empresa antes mesmo dela nascer – o que demonstra o potencial que tem.

Pessoas que fazem também é projeto da dupla de publicitários. Trata-se de um blog/evento para falar e trocar experiências sobre empreendedorismo e gestão – www.pessoasquefazem.com.br. Outro projeto é Empresa que cresce, que prevê a geração de conteúdo sobre empreendimentos, mídias, negócios, enviado diretamente ao cliente via ferramentas digitais.

Jonas encerrou a apresentação destacando a importância da relação entre o mercado e o universo acadêmico. “Isso é muito comum no exterior, mas no Brasil estamos apenas começando, somos extraterrestres por estarmos tão próximos das universidades”, disse.

 

Fotos de Fabricio Braga

  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG
  • IMG

Postar comentário

0
  • Nenhum comentário encontrado

· · ·