· · ·

Geral

Equipe Travinha Esportes palestra para alunos de Jornalismo Esportivo

casal travinhaFoto: Giulian Cavalli

O jornalismo especializado é uma realidade e o esporte é uma destas vias. Os jornalistas da Agência Travinha Esportes, Marcus Von Groll e Nathalia Ely vivenciam isso diariamente. Eles participaram de um bate-papo com os alunos da disciplina de Jornalismo Especializado II, ministrada pelo Prof. Dr. Fabio Berti, coordenador do curso. Reforçaram a importância de especialização na área e contaram o que aprenderam com o mercado.

A Agência Travinha é uma empresa que tem como foco a produção e cobertura de eventos esportivos. Busca valorizar todas as modalidades esportivas e promover o esporte amador. A empresa cobriu eventos como Mundial de Beach Tennis RS CUP, o Campeonato Brasileiro de Karatê e a Liga Nacional de Futebol Americano.

Nathália Ely questiona a presença de profissionais sem formação atuando no jornalismo esportivo. “Essa é uma área especializada do jornalismo. Isso vai de encontro a tudo o que estudamos na universidade”, disse. O Prof. Dr. Fabio Berti reforça essa ideia exemplificando a situação de ex-atletas que estão ocupando a vagas dos jornalistas. “Eles são especialistas, mas, não são jornalistas. Eles não trabalham com os critérios técnicos e éticos que desenvolvemos durante a graduação e até mesmo em uma vida”, conta.

Nathália complementa ressaltando que o jornalismo esportivo não se resume em ter conhecimento apenas em um esporte, mas, em diversas modalidades. Lembra que lida, diariamente, também, com setores relacionados ao esporte, como medicina, economia, direito, o esporte como inclusão social, entre outros. “Além de conhecer informações técnicas, o jornalista esportivo consegue fazer com que o público entenda isso. Como explicar uma determinada lesão de um atleta, por exemplo”, afirma.

Marcus Von Groll, considerando esta realidade, defende que o estudante de Jornalismo precisa aproveitar as oportunidades de participar da cobertura de eventos esportivos que acontecem no RS. “Aqui, é complicado. Temos poucos eventos importantes. Mas, temos competições do calendário amador, como o basebol ou rugby. Se surgir a chance de cobrir algo, você deve ir”, aconselha.

Mercado e Empreendedorismo

Marcus salienta que com a situação atual do país, é importante o profissional de comunicação ser multifuncional. “Você precisa saber escrever, editar, montar equipamento. Se você souber apenas uma coisa, provavelmente, não vai conseguir trabalhar em nada”. Ele diz saber fazer um pouco de tudo. Relata que isso ajuda quando se inicia uma empresa. “No início, é difícil bancar os custos de outros funcionários, então, vocês vão ter que cuidar de coisas que são além comunicação, como o financeiro”.

Nathália acrescenta que dentro da necessidade de se aprender coisas novas, saber gerenciar as redes sociais é fundamental para se obter bons resultados. “Não dá para simplesmente postar a notícia, tem que saber o melhor horário, acompanhar as métricas e tudo mais”. Marcus sugere que se faça cursos sobre influência digital e gestão empresarial. “É importante ficar atento a esse meio, então, é interessante fazer essas micro especializações para se aprender boas técnicas”.

Marcus conta que quando criou a Agência Travinha, ele não pensava em ganhar dinheiro e que estava exercendo a atividade apenas por paixão. “Foi um erro não pensar em transformar em um negócio. Eu tive que fazer três vezes o trabalho normal para poder começar a ganhar dinheiro”. Por isso, ele aconselha que todos que desejam implementar um projeto, pensem em criá-lo com a possiblidade de se transformar em um negócio.

Postar comentário

0
  • Nenhum comentário encontrado

· · ·