·

·

· · ·

Publicidade e Propaganda

Mídia Tradicionais x Redes Sociais: disputa por patrocinadores

midias tradicionais x redes sociais briga pelos patrocinadoresFoto: Divulgação

Na perspectiva da Publicidade e Propaganda, cabe refletir se as redes sociais digitais ainda são um ambiente favorável para veiculação das marcas e se as empresas tendem a direcionar os anúncios para as mídias tradicionais. O Multiverso apresenta a segunda matéria sobre credibilidade e as redes sociais digitais e destaca o desafio dos profissionais da Comunicação: avaliar qual a melhor estratégia de divulgação para alcançar os públicos de interesse.

Para a coordenadora de marketing da Alright Media, Anne Cardon, realocar uma verba que foi destinada para o online de volta para o offline, não é atitude que faça muito sentido. “As pessoas estão acostumadas a receber comunicação da marca no ambiente online. Além disso, os anunciantes vão estar onde as pessoas estão, que é nesse meio”, observa ela.

Entretanto, Anne pondera que alguns anunciantes podem retornar para os canais tradicionais. Contudo, é preciso considerar que eles estarão disputando a atenção do público com outras telas. “Uma pessoa que assisti uma partida de futebol, no momento da propaganda, vai conversar com os amigos sobre o jogo, pelo celular ou notebook. Logo, não vai acompanhar o que está acontecendo na televisão”, avalia. Segundo ela, o ideal é o ‘casamento’ das estratégias offline e online. “Não vai ocorrer um retrocesso no uso de anúncios online nem a extinção de investimentos na mídia tradicional”, relata.

Anne destaca que ao invés de uma empresa deixar de anunciar no meio online, o que pode acontecer é a marca selecionar melhor onde pretende colocar o investimento. “Uma empresa não vai investir em uma rede de mídia programática de publishers que nunca se ouviu falar ou que podem ser produtores de fake news”, explica.

usar redes social facebookFoto: Divulgação

A fim de combater o problema do vazamento de dados, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, disponibilizou uma ferramenta de privacidade que vai limitar o acesso de informações dos usuários. Isso pode ser um fato limitador no momento das empresas traçarem as estratégias para o público-alvo. Anne argumenta que mesmo bloqueando algumas informações, o Facebook vai ter acesso a dados fundamentais dos usuários. “Por exemplo, se eu postar que estou feliz, porque meu filho nasceu, isso vai virar dados para a rede social. É uma informação para utilizar como segmentação”, afirma. Ela diz que tudo que um usuário faz ou que ele acessa, gera informações valiosíssimas para a rede social.

Postar comentário

0
  • Nenhum comentário encontrado

· · ·